6 materiais plásticos recicláveis mais utilizados na indústria

O plástico é um material que pode ter sua origem sintética, produzido à partir da união de moléculas derivadas do petróleo, ou orgânica, produzido por meio de fontes renováveis, como o ácido lático, cana-de-açúcar, caseína, amido, milho, batata e beterraba, entre outras.

Materiais plásticos recicláveis são impermeáveis, maleáveis e de durabilidade que conferem melhor custo-benefício na produção industrial. Sua aplicabilidade contribui para o desenvolvimento socioeconômico e científico mundial.

Neste post, abordaremos um pouco mais sobre materiais plásticos recicláveis e quais os principais tipos de plástico resultantes de processos de reciclagem utilizados no setor industrial. Confira!

Aplicabilidade

Muitas são as vantagens de uso do plástico no meio industrial, confira algumas delas:

  • auxiliam na produção industrial;
  • embalagens plásticas conferem segurança na estocagem e distribuição de produtos;
  • evitam contaminação e erosão dos solos;
  • auxiliam na canalização de esgotos;
  • auxiliam na preservação da água;
  • são utilizados na fabricação de uma infinidade de produtos como vestuário, componentes automotivos, bolsas, móveis, entre outros

Plásticos que podem ser reciclados

Sabe-se pouco a respeito desse processo que garante sustentabilidade ao uso do plástico na indústria.

Existem tipos de plásticos recicláveis como embalagem de margarina, óleo, produtos de beleza e de limpeza, tampas, brinquedos, embalagens de refrigerante e copos, por exemplo, e outros que não podem ser submetidos a essa transformação, como a espuma, celofane, fralda descartável, adesivo, cabo de panela, tomadas, embalagens de biscoito ou misturados em papéis, plásticos ou metais.

Classificação dos plásticos

São representados por um triângulo com três setas e, em seu interior, o número de identificação para classificação que, apesar de não ser obrigatório como simbologia gravada na peça ou embalagem, facilita o processo de reciclagem.

Podem ser termoplásticos, que derretem apenas sob altas temperaturas, como o polietileno e polipropileno, ou termorrígidos, que não derretem quando aquecidos, o que impossibilita a reutilização por meio de processos convencionais de reciclagem.

Seguem alguns exemplos de materiais plásticos.

1. Polietileno (PE)

Produzido com diferentes densidades, ele é aplicado em diversas áreas, resistente a muitos ácidos e soluções alcalinas.

Filme flexível, é muito utilizado em embalagens de alimentos, tubos para cabos e fios, cordas e fibras para tapetes (também usado PET), frascos e caixas de bebidas, está presente na composição de coletes à prova de balas e fibra óptica. Podem ser classificados em baixa densidade (PEBD), média densidade (PEMD), alta densidade (PEAD) e ultra-alta peso molecular (PEUAPM).

Destacamos os dois principais abaixo.

Polietileno de baixa densidade (PEBD)

Representado pelo número 4, é macio, fácil de dobrar, um material mais flexível, leve, transparente e impermeável. Muito usado em embalagens como sacolas de supermercados, embalagens de leites e iogurtes, sacos de lixo, industrial, embalagens têxteis etc.

Polietileno de alta densidade (PEAD)

Representado pelo número 2, é leve, inquebrável, rígido e resistente quimicamente. É usado em embalagens de produtos como detergentes, amaciante de roupas, potes etc. Seu uso industrial está em embalagens de óleo, caixas de transporte, produtos químicos e tambores de tinta.

2. Polietileno tereftalato (PET)

Representado pelo número 1, sua preferência de aplicação se dá devido à resistência química e mecânica, brilho, transparência, o que também permite oferecer segurança alimentar e proteção ao produto. As embalagens feitas do tipo PET possuem sistemas fáceis de fechamento, que são muito eficientes.

São inquebráveis, resistentes a baixas temperaturas, leves, impermeáveis e rígidos.

É utilizado em embalagens de detergentes e óleos, empregado na indústria automobilística, em tecidos, vassouras, sacolas, frascos — para acondicionar refrigerantes, sucos e alimentos.

Também usado em tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, nos setores hospitalares, de cosméticos, têxteis, etc.

3. Policloreto de vinila (PVC)

Mais conhecido como PVC, é um material resistente quimicamente contra agentes oxidantes, ácidos, bases e óleos, é um material auto extinguível, por isso, é muito usado na construção civil em esquadrias, janelas, tubulações de água ou esgotos e mangueiras.

Sua resistência mecânica também faz com que seja um dos plásticos mais empregados na fabricação de brinquedos e calçados.

Representado pelo número 3, é de característica transparente, leve, resistente à temperatura e também inquebrável. Pode ser usado, além da fabricação de brinquedos e calçados, no:

  • setor alimentício, em embalagens de bebidas, filmes de proteção, por exemplo;
  • setor farmacêutico;
  • na fabricação de cartões magnéticos.

4. Polipropileno (PP)

Representado pelo número 5, o plástico PP é  mais duro que o polietileno, conserva por mais tempo as propriedades do seu conteúdo — quando usado em embalagens é inquebrável, transparente, brilhante, rígido, atóxico. Ele tem alta resistência a mudanças de temperatura e baixa absorção de umidade e é usado comumente em brinquedos, autopeças, tubos, fraldas infantis, embalagens industriais, entre outros.

5. Poliestireno (PS)

Representado pelo número 6, é brilhante, possui propriedades de impermeabilidade, leveza, transparência e rigidez, mas é sensível ao choque e pancadas.

Usado em potes de iogurte, sorvete, doce, fabricação de pratos, tampas, aparelhos de barbear, revestimento interno de geladeiras, brinquedos, eletrodomésticos, peças automobilísticas, entre outros.

6. Poliuretanos (PU) e Poliacetato de Etileno Vinil (EVA)

Existem tipos de poliuretanos termoplásticos (TPU) e termorrígidos, bem como EVA, que não podem ser reciclados. São usados em solados de calçados, nos interruptores, peças elétricas, pratos, travessas, cinzeiros, telefones, etc.

De acordo com a Abiplast, Indústria Brasileira de Transformação e Reciclagem de Material Plástico, são produzidas mundialmente 269 milhões de toneladas de resinas termoplásticas por ano.

No Brasil, as principais resinas são consumidas na seguinte proporção:

  • PP — 22,3%;
  • PVC — 15,6%;
  • PEAD — 17,4%;
  • PEBD — 10,6%;
  • PEBDL — 12,4%;
  • PET — 7,1%;
  • PS — 4,6%;
  • EPS — 2,3%;
  • EVA — 1,4%

O alto volume de uso das resinas tipo “commodities” apontado por esse índice, como PE e PP, ocorre, pois tratam-se de resinas com uma abertura muito grande de possibilidades de processamento, bem como o PVC fortemente utilizado na construção civil.

Nota-se que os de tipo termorrígido são menos consumidos por terem sido substituídos por compostos de alta performance, com melhores condições técnicas e de propriedades (processos, custos, etc.) ou por plásticos de uso mais comercial.

A maioria dos compostos termofixos não recicláveis é empregada em produtos de alta exigência técnica, e/ou são obsoletos e, por isso, mais de 90% das resinas encontradas no mercado podem ser recicladas.

Como qualquer outro material, o plástico pode ser poluente se descartado de forma incorreta. Apesar disso, são muitas as possibilidades de reaproveitamento por meio da total colaboração da população nos processos de recolhimento e direcionamento dos materiais para a recuperação seletiva.

A reciclagem plástica é vantajosa,pois além de fomentar a economia local ao empregar pessoas, que participam da reciclagem de forma direta nas indústrias ou indireta como catadores ou seletores, é vantajosa ao meio ambiente ao possibilitar a redução da emissão de gases que provocam o efeito estufa e o volume desse produto em aterros sanitários, além da economia de energia e água em processos produtivos.

Quer saber mais sobre esse processo de reaproveitamento de materiais plásticos recicláveis? Selecionamos uma leitura interessante para você!

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN