Como a gestão da qualidade total pode ser aplicada na indústria?

A gestão da qualidade total é uma parte importante dos processos internos de uma indústria. A partir desse conceito, é possível garantir máxima satisfação dos consumidores em relação aos produtos e firmar o nome da empresa perante da concorrência.

Sua aplicação traz uma série de benefícios, diminuindo desperdícios e reduzindo os custos de produção, o que consequentemente aumenta a margem de lucro. A qualidade dos produtos também é percebida pelos clientes, o que aumenta o valor da marca da empresa. Quer saber como atingir esses resultados? Continue lendo o post.

O que é gestão da qualidade total?

A gestão de qualidade total (GQT), também conhecida como total quality management (TQM), pode ser definida como uma filosofia que busca o aperfeiçoamento ininterrupto de produtos e serviços, melhorando as rotinas internas da corporação.

Ela se baseia em um ciclo constante de avaliações e feedbacks. Com isso, podem ser feitos ajustes no processo que levam a melhores resultados e abrem caminho para o aprimoramento contínuo.

Partindo dessa abordagem, é possível estruturar um processo produtivo sólido, com planejamento e execução claros e monitoramento dos resultados em prol da satisfação dos consumidores e stakeholders.

Quais são os princípios dessa gestão?

Podemos resumir os princípios da gestão da qualidade total em 10 tópicos:

  1. total satisfação do cliente;
  2. especialização do capital humano;
  3. processos sob constante mapeamento e aperfeiçoamento;
  4. integração dos setores;
  5. delegação de responsabilidades;
  6. redução de erros;
  7. participação da gerência;
  8. planejamento estratégico;
  9. disseminação de informações;
  10. garantia de qualidade.

Quais são as ferramentas utilizadas para a gestão de qualidade?

Entendendo melhor como funciona esse processo, vale a pena ter mais conhecimento sobre algumas ferramentas aplicadas no conceito de gestão de qualidade.

PDCA

O ciclo PDCA, também conhecido como Ciclo de Deming, promove a melhoria dos processos por meio de um circuito composto por 4 ações: planejar (Plan), fazer (Do), checar (Check up) e agir (Act).

Essa ferramenta auxilia não só a mensurar o resultado, como a entender as causas deste, identificando a origem de possíveis problemas. A principal característica do ciclo PDCA é que a melhoria do processo produtivo não é vista como um ato isolado, mas como um movimento constante. Entenda melhor cada uma das fases do projeto:

  • planejar: é quando são estabelecidos as metas e objetivos do ciclo, indicando qual problema será solucionado;
  • fazer: é o momento de executar o plano de ação da etapa anterior, procurando manter-se fiel a ele o máximo possível;
  • checar: a fase de checagem pode ocorrer ao lado da etapa de execução, afinal, quando o monitoramento é feito em tempo real, fica mais fácil entender os processos e identificar possíveis falhas. São avaliados a metodologia de trabalho aplicada e seus resultados diretos;
  • agir: é nesse momento que se avalia o sucesso do planejamento. Se tudo ocorreu dentro do previsto, são estabelecidas novas metas para o próximo ciclo. Caso contrário, são feitos ajustes para que o próximo circuito se aproxime das expectativas.

5W2H

Essa sigla um pouco estranha corresponde às iniciais que compõem a metodologia, formada por 7 perguntas: What (o que será feito?), Why (por que será feito?), Where (onde será feito?), When (quando será feito?), Who (quem vai fazer?), How (como será feito?), How much (quanto custará?).

Colocando de forma prática, trata-se de um checklist de atividades que pretende esclarecer o processo de produção, mostrando com o máximo de clareza possível tudo o que deve ser realizado a fim de diminuir as margens de erro.

A partir das respostas, é possível estruturar o planejamento das tarefas economizando tempo e recursos. Os colaboradores terão uma visão muito clara das atividades e conseguirão trabalhar de maneira coesa.

5S

O 5S é um programa de qualidade desenvolvido no Japão que busca o aperfeiçoamento de aspectos que influenciam totalmente o processo produtivo, como padronização, organização e limpeza.

Essa metodologia promove uma melhoria contínua da destinação de materiais e de higiene no local de trabalho, otimizando a realização das tarefas e afetando até mesmo a satisfação dos funcionários, que certamente ficarão mais à vontade em um local limpo e organizado. Novamente, o termo relaciona-se às 5 palavras que formam a metodologia:

  • seiri (senso de utilização): etapa em que são separadas as ferramentas mais usadas no ambiente de trabalho, estruturando-o para que o fluxo de atividades seja mais prático e rápido;
  • seiton (senso de organização): essa fase tem como foco a simplificação, na qual os objetos menos usados são guardados em locais específicos;
  • seiso (senso de limpeza): é feita a busca no local de trabalho por sujeiras, sejam físicas ou sonoras (nesse conceito, são considerados até uma má iluminação ou um mau cheiro), buscando a criação de um ambiente mais agradável;
  • seiketsu (senso de padronização): trata da manutenção de um espaço mais favorável ao trabalho;
  • shitsuke (senso de disciplina): a busca pela manutenção e promoção do melhor ambiente de maneira voluntária, sem a necessidade de alguma supervisão ou cobrança.

Como é a aplicabilidade dessa gestão na indústria?

A indústria é um setor que se beneficia muito da gestão da qualidade total. Isso porque vemos um grande desperdício de insumos e trabalhadores que fazem apenas o necessário, sem uma coordenação eficiente e sem a visão total do processo.

Esse tipo de cultura afeta totalmente o desenvolvimento da empresa, prejudicando o faturamento e até mesmo o engajamento dos empregados. Com a aplicação de ferramentas de gestão da qualidade, é possível “enxugar” a produção, fazendo com que ela seja eficiente e precisa.

Essa intervenção pode ser aplicada em inúmeros aspectos: otimização do ambiente de trabalho, treinamentos para os funcionários, mapeamento das linhas de produção, identificação de falhas etc. Essa preocupação aumenta também a qualidade dos produtos, diminuindo a incidência de erros e favorecendo uma posição sólida da marca diante dos concorrentes.

Conhecendo mais sobre a gestão da qualidade total, seus princípios e como ela afeta os processos, é possível avaliar o funcionamento da sua empresa e promover melhorias. São ajustes pontuais e pequenos, mas que podem ter um enorme impacto nos resultados.

E você, acha que este conteúdo foi útil? Aproveite e compartilhe nas suas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso ao conhecimento trazido aqui.

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN