Tire suas dúvidas sobre a impressora 3D de plástico

Um mundo de possibilidades. De brinquedos a objetos de decoração, passando por carros e, até mesmo, casas. Desde que foi lançada, a impressora 3D de plástico revolucionou o mercado. Atualmente, ela é a solução para o crescimento de empresários e também para proporcionar inúmeros benefícios à sociedade. 

Trata-se de uma verdadeira revolução no mercado, trazendo mais produtividade com foco na busca constante pela satisfação dos clientes. 

Como a moldagem por injeção com o uso do plástico é a mais utilizada no mundo em razão da otimização do tempo e redução dos custos, vamos levá-lo a um passeio diante dessa tecnologia que veio para ficar. Quer se inteirar sobre o assunto? Então, continue lendo este post! 

Conheça a impressora 3D de plástico

Como o próprio nome sugere, a impressora possibilita criações tridimensionais. Diferentemente dos equipamentos tradicionais, que imprimem papel, as 3D materializam objetos. Como? Elas têm um software que repassa os modelos para a produção. 

São utilizados programas como o CAD (Computer Aided Design), AutoCAD ou Sketchup. Após fazer o desenho de acordo com o seu projeto, chega o momento de colocar a matéria-prima que será usada para imprimir o produto final. Ela pode ser plástico, papel, borracha, metal, entre outros. No entanto, vamos focar nos polímeros! 

Veja a história do equipamento

A história da impressora 3D começou a ganhar forma por meio da criatividade do engenheiro norte-americano Chuck Hull. Ele foi o primeiro a utilizar a tecnologia de estereolitografia, a precursora da 3D, em 1984, na Califórnia.

Inicialmente, a produção se restringia a lâmpadas para solidificação de resinas, o primeiro objeto criado pela máquina. Depois, começaram a ser confeccionadas partes de plástico rapidamente, solucionando um problema que teimava em tirar o sossego do inventor: a lentidão na elaboração das peças. 

Isso porque eram necessárias de seis a oito semanas para produzir uma peça que ainda precisava ser refeita por conta de problemas na manufatura. Com o plástico, a invenção ganhou flexibilidade e foi patenteada em 1986, quando Hull montou a fabricante de impressoras 3D Systems. 

De lá para cá a empresa se transformou em referência no setor, e suas produções em 3D estão na indústria automobilística, no setor aeroespacial e, até mesmo, em empresas que desenvolvem equipamentos médicos.

Descubra os tipos de impressoras 3D 

Desde o seu lançamento, inúmeros profissionais foram aperfeiçoando o equipamento e, hoje, existem vários tipos de impressora 3D que exploram inúmeras tecnologias. Selecionamos algumas para você: 

  • extrusão: é a mais utilizada. Basicamente, o extrusor libera as camadas do plástico aquecido ou derretido, que vai tomando forma de acordo com o desenho repassado pelo software;
  • estereolitografia: é a laser, com excelente precisão. Ela endurece a resina por meio da sensibilidade à luz. Os objetos criados necessitam de acabamentos;
  • sinterização seletiva: lasers potentes criam materiais em vidro, cerâmica, nylon e metais. No entanto, o alto consumo de energia é um grande limitador.

Além das mencionadas acima, existem outros modelos no mercado, mas como estamos focando no uso do plástico na criação de peças em 3D, vamos conhecer agora os materiais mais utilizados nessa indústria que está revolucionando vários setores da economia. 

Saiba como o plástico é utilizado e para que serve 

O plástico é a principal matéria-prima utilizada nas impressões 3D. A explicação está na flexibilidade do material — possibilitando criações diversas —, no baixo custo e também na otimização do tempo. São fatores importantíssimos diante da atual realidade de concorrência acirrada entre as empresas e necessidades urgentes por parte dos consumidores.

Dessa maneira, podemos classificar em cinco os tipos de plástico que estão presentes nas injeções que criam os objetos: resinas, PLA (poliéster termoplástico feito com produtos renováveis), poliamidas, ABS e nylon. Veja agora como cada um é utilizado nos equipamentos 3D: 

  • resinas: são materiais que estão nas tecnologias PolyJet e estereolitografia. As resinas contribuem para a produção de objetos foscos, brilhantes, brancos e pretos;
  • PLA: trata-se de um material com uso abundante. Funde a 160 ºC e é ideal para objetos usados na indústria gastronômica, como pratos copos, tigelas etc;
  • poliamidas: os objetos impressos em poliamida ficam estáveis, resistentes ao choque e sólidos. Muito utilizada nos moldes de injeção; 
  • ABS: bem comum nas produções domésticas. Resistente e em várias cores, o ABS é excelente em textura, durabilidade e funcionalidade. Ideal para peças de brinquedos, como Lego;
  • nylon: muito utilizado na sinterização seletiva a laser. O pó é fundido em pequenas partículas, formando as camadas da peça.

Entenda os benefícios das impressões 3D

Em um mundo que valoriza cada vez mais o uso consciente dos recursos naturais, a impressão 3D com plástico reciclado pode ser uma resposta inteligente de melhoria na qualidade de vida da população.

Além disso, a técnica agiliza os processos de produção, diminuindo custos e aumentando a produtividade. A impressão em série evita a necessidade de estoque, contribuindo com a redução de desperdícios. O índice de erros na produção de peças, por exemplo, também cai drasticamente.

As inovações ainda estão nitidamente ligadas com a oferta de mais comodidade aos seres humanos. As peças ganham qualidade nas customizações, com possibilidades bem amplas nas criações. 

Assim, novos negócios podem ser desenvolvidos. Microempreendedores têm na impressora 3D um excelente meio para desenvolverem novos produtos, gerando renda e empregos. Fora isso, os objetos podem ser personalizados, como um tênis ideal de acordo com o formato do pé do cliente. Ou seja, os benefícios atingem até mesmo a saúde dos cidadãos. 

Descubra qual deve ser o futuro das impressões 3D 

Certamente, os produtos criados por meio da impressora 3D têm um futuro garantido, principalmente para melhorar a qualidade de vida da população. A medicina já acordou para essa possibilidade e vem desenvolvendo palmilhas, protótipos de pernas, braços e outros membros por meio da tecnologia. 

A tendência é que ocorra um barateamento das produções, fazendo com que mais casas sejam construídas com peças impressas, contribuindo com a problemática habitacional em países pobres. Futuramente, as impressões ganharão mais abrangência nas pesquisas aeroespaciais. Mas o que deve revolucionar mesmo o setor é o barateamento dos equipamentos.

Assim, a impressora 3D de plástico poderá ter presença garantida nos lares, como hoje é realidade com os computadores. Com isso, as pessoas criarão seus objetos de decoração, pratos e, até mesmo, os brinquedos das crianças. Uma verdadeira revolução para plástico nenhum botar defeito!

Já que o plástico é o nosso protagonista, que tal aprender agora sobre como ocorre a produção desse material imprescindível na vida da sociedade!

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN