Polímeros na medicina: descubra as suas aplicações na saúde!

Quando falamos em evolução das técnicas medicinais, fica quase impossível não mencionar o uso de polímeros. O material possibilitou revolucionar muitos métodos e hoje é um dos mais utilizados em hospitais, clínicas e laboratórios de todo o mundo. Mas você sabe como são utilizados os polímeros na medicina? Melhor, conhece a importância disso?

Neste post, pretendemos esclarecer essas questões e deixar você melhor informado a respeito do assunto. Então, pegue a sua xícara de chá ou café e aproveite a leitura!

Por que o polímero é cada vez mais utilizado na medicina?

O polímero é a matéria-prima básica na fabricação de plásticos de qualquer natureza e finalidade, contribuindo com diversas vantagens para o setor médico-hospitalar. Com alta flexibilidade, o material torna os dispositivos mais resistentes à ruptura.

Em relação aos outros tipos de materiais, o polímero entrega impermeabilidade. Isso aumenta a durabilidade dos dispositivos, já que não sofrem corrosão por umidade. Os níveis de transparência, a compatibilidade com outros tipos de matéria-prima, a leveza e o custo menor de manipulação do produto completam o leque de vantagens do material.

Qual a importância do uso de polímeros na medicina?

O polímero é um material que se de adéqua mais facilmente aos requisitos técnicos da área, como os termos geométricos e de peso. Isso fez com que a indústria médica explorasse mais a matéria-prima, criando novas soluções clínicas e laboratoriais que permitam a evolução dos procedimentos clínicos.

A procura pelo polímero também movimenta o segmento de coleta e reciclagem, tirando toneladas de lixo das ruas que poluiriam o meio ambiente e transformando em materiais reutilizáveis. Ou seja, além de preservar a natureza, gera emprego e renda a milhares de pessoas.

O uso de polímeros na medicina também é importante para substituir metais e vidros. Próteses de plástico, por exemplo, proporcionam mais conforto e segurança aos pacientes, já que são mais leves, macias, duráveis, baratas e com menor risco de contaminações.

Hoje, o polímero é considerado fundamental para a produção de itens descartáveis, tornando o trabalho médico mais seguro, além de reduzir os custos com materiais em hospitais, consultórios e laboratórios. Isso representa uma grande revolução para o setor!

Quais as principais aplicações do polímero na medicina?

Para ser mais específico, separamos abaixo alguns dos principais exemplos práticos de como o polímero é aplicado à medicina. Acompanhe!

Próteses

Na ortopedia, as próteses ajudam a corrigir deformidades dos membros e dá suporte em casos de amputação. Com a substituição dos metais por plásticos em sua fabricação, elas ganham propriedades viscoelásticas, o que se assemelha ao desempenho de ossos e tecidos moles do corpo humano.

Na oftalmologia, o polímero é utilizado na fabricação de lentes de contato, em formato de silicone gelatinoso, dando um aspecto natural às córneas artificiais.

Na odontologia, esse tipo de material é utilizado em procedimentos de obturação, implantes e aplicações de próteses dentárias, diminuindo a agressão que os metais causam à gengiva, língua e céu da boca.

Na otorrinolaringologia, os aparelhos auditivos já são fabricados com base de plástico e silicone, acomodando o microfone e o dispositivo de transmissão com maior conforto e ajuste na orelha dos pacientes.

Cateteres

Os cateteres são tubos flexíveis de grande importância na medicina, pois são utilizados para introduzir ou drenar fluidos em cavidades do corpo humano. Também têm a função de conduzir microcâmeras e medicamentos aos orifícios de acesso mais difícil.

Esse tipo de equipamento é fundamental no quesito salvar vidas, pois permite posicionar o stent (prótese em forma de tubo) em artérias coronárias para desobstruir a passagem de sangue. Como a indústria só permite a fabricação de cateteres em materiais plásticos, o polímero contribui diretamente para o aumento da expectativa de vida.

Seringas

Com o uso de polímeros na fabricação de seringas, o custo baixou e, hoje, elas podem ser descartáveis. Isso elimina os riscos de contaminações registrados no passado, quando elas precisavam ser esterilizadas para a reutilização.

Além da segurança, o novo material também trouxe maior resistência às seringas, evitando quebras durante o manuseio em aplicações de medicações na veia ou na extração de sangue do paciente para exames clínicos.

Suturas

Cortes profundos, causados por acidentes ou por cirurgias, são fechados com suturas (pontos) envolvendo agulhas e linhas. Porém, com o uso de polímeros, esses materiais podem ser fabricados para serem mais flexíveis no manuseio, o que diminui a dor no processo.

A maioria dos modelos não é biodegradável e, por isso, não podem ser absorvidos pelo corpo. No entanto, são facilmente removidos após a cicatrização.

Trajes

Até pouco tempo, os trajes médicos mais comuns eram fabricados à base de tecido e couro. O problema é que esses materiais são de difícil esterilização, tornando a reutilização arriscada no quesito contaminação.

Com o polímero, isso mudou. Os trajes mais importantes utilizados pelos profissionais de medicina em centros cirúrgicos e laboratoriais são fabricados em plástico e látex, podendo ser descartados após o uso. Esse é o caso das luvas, toucas, aventais, óculos, máscaras e proteção para os pés.

Preservativos

Em 1870, a borracha vulcanizada começou a ser produzida e o látex ganhou destaque na produção de preservativos. Eles ficaram mais baratos e se tornaram um método contraceptivo confiável, além de evitar o contágio de doenças sexualmente transmissíveis.

Hoje, todo mundo pode andar com um material desses no bolso, pois é compacto e leve. Devido à eficiência, o material também é utilizado com frequência em exames ginecológicos, protegendo médicos e pacientes de contaminações.

Como o descarte deve ser feito?

Se os resíduos hospitalares não forem descartados de forma adequada, a saúde das pessoas e o meio ambiente entram em risco, pois a chance de contaminação do solo e da água onde são depositados é grande.

Por isso, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determina normas rigorosas para o descarte de lixo hospitalar. O ideal é que sejam coletados por uma empresa especializada e direcionados para um aterramento sanitário próprio ou incineradores.

Tais procedimentos devem ser seguidos por consultórios, laboratórios e hospitais, não importando o volume de descartes gerados. O principal objetivo dessas normas é prevenir o contágio e disseminação de doenças, garantindo integridade à saúde das pessoas e preservação ambiental.

Como pôde perceber, o uso de polímeros na medicina é fundamental para a eficiência dos serviços médicos. Sem o material, os serviços seriam mais caros e com alto risco de contaminação. Então, valorize o polímero, usando mais esse tipo de material.

E você tem algo a acrescentar? Compartilhe os seus conhecimentos e experiências nos comentários!

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN