PLÁSTICO, GRANDE POTENCIAL DE TRANSFORMAÇÃO

O plástico pode ser reciclado diversas vezes, o que faz dele um material com grande potencial de reaproveitamento. No Brasil, o índice de reciclagem mecânica dos plásticos é de aproximadamente 20%, na Europa é de 29,7%, sendo assim, há um grande horizonte a ser conhecido.

A base da reciclagem é o processo de recuperação de produtos ao término de seu ciclo de vida útil e, quando devidamente descartados, são reprocessados para gerar novos produtos. Simples, não é? O conceito é simples, mas você sabia que isso é feito de várias maneiras até vermos o resultado no dia a dia? Para saber mais acompanhe nossa visita à Neuplast Indústria e Comércio de Plásticos, com o Diretor Comercial e de Desenvolvimento, Paulo Francisco da Silva.

A NEUPLAST ATUA NO MERCADO DA RECICLAGEM DE PLÁSTICOS PP, PEAD E PS DESDE 1980. ATUALMENTE, CONTA COM CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE 1.200 TONELADAS/MÊS, COMERCIALIZANDO MATERIAL RECICLADO ESPECIFICADO.

Há quase quatro décadas no mercado, Paulo é apaixonado pelo que faz e conhece cada detalhe do processo de produção de um produto feito a partir do descarte de resíduos plásticos. A reciclagem começa com a classificação dos diversos tipos de plásticos que, em seguida, são moídos, ficando com aspecto de pequenos flocos que são aquecidos até a fusão, iniciando a transformação. No entanto, o aquecimento por si só não é suficiente para gerar um material homogêneo, por isso os plásticos devem ser de composição idêntica ou semelhante para misturarem-se de forma eficiente. “Embalagens multicamadas dão mais trabalho”, comenta Paulo. Quando diferentes tipos de plásticos são fundidos em conjunto, eles tendem à separação, como óleo e água, o que pode causar fraqueza estrutural no material resultante. As misturas de plásticos são úteis em aplicações limitadas’’, lembra ele.

Depois do estágio do aquecimento, o plástico pode, então, ser utilizado para dar origem a artigos como cadeiras, mesas, camisetas, cordas, entre outros. Pouca gente sabe, mas sacos de polietileno usados para congelamento de alimentos na cozinha e sacolas usadas para transporte de alimentos e mercadorias em geral também são recicláveis. O EPS, popularmente conhecido como Isopor®, que constitui as bandejas de frios, por exemplo, é um plástico e é 100% reciclável, sendo 34,5% reciclado no Brasil.

A cultura da reciclagem é fundamental para o futuro do planeta e das próximas gerações e é importante que o consumidor esteja atento à responsabilidade em separar e destinar corretamente os materiais recicláveis.

 Barreiras químicas

Paulo enfatiza que a reciclagem de plástico tem ocorrido desde a década de 1970 e está entre as operações mais eficientes hoje. No entanto, ele mostra que uma barreira para a reciclagem é a utilização generalizada de corantes e pigmentos adicionados aos plásticos. “Na reciclagem, o gás que a tinta libera é o maior problema”, esclarece. Como os aditivos são menos usados em recipientes de bebidas e sacos, isso permite que sejam reciclados mais frequentemente. Entretanto, outra barreira para a remoção de grandes quantidades de resíduos plásticos advindos de aterros é o fato de que muitos produtos plásticos comuns não têm o símbolo de reciclagem de acordo com a Norma ABNT – que identifica o tipo do plástico. Um exemplo são os bilhões de utensílios como talheres e pratos comumente distribuídos em eventos ou utilizados em festas e piqueniques.

 A favor da reciclagem

O mercado de reciclagem de plásticos oferece no Brasil possibilidades ímpares justamente por ainda não estar sendo explorado em sua totalidade. Segundo dados do IBGE a reciclagem cresce 14% ao ano.

A reciclagem do plástico é sustentável e, tecnologicamente, já não é mais um problema. “98% da nossa produção vêm de sucata de lixo comum e 2% vem de reparos da indústria”, revela Paulo e continua: nosso processo começa a partir do plástico já moído e com essa base a Neuplast faz materiais de cinco cores de acordo com a especificação do cliente.

Faz parte da reciclagem de plástico gerar renda para milhares de pessoas no Brasil que atuam, principalmente, em cooperativas de catadores e recicladores e que fazem a separação manual, a moagem e a entrega dos fardos de flocos às empresas recicladoras. O setor de reciclagem gera até 84 empregos para cada empregado em todos os setores, comemora Paulo.

Assim, no Brasil, é importante o empenho em defender a reciclagem. Empresas e cooperativas recicladoras são oportunidades para futuros empreendedores engajados em melhorar o descarte de materiais. Quem sabe você não ajuda o Paulo a completar a missão de levar a reciclagem de plástico a ser o que pode ser no Brasil? Afinal, da origem até a reciclagem do plástico em novos produtos há ainda muito potencial a ser explorado.

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN