Veja aqui como ocorre a produção do plástico

Os primeiros plásticos derivaram-se da celulose, um polissacarídio (diversos monômeros de glicose) que compõe a parede celular das plantas. O látex, usado para a produção da borracha, é um tipo de plástico que vem da seringueira e o acetato de celulose vem das fibras de algodão.

Mas a maioria dos plásticos sintéticos, criados para substituir materiais escassos na natureza, são oriundos do petróleo. Quer entender mais sobre como ocorre a produção do plástico? Continue a leitura deste post e confira!

Origem do polímero

Durante o refino, o petróleo é fracionado em outros materiais, como nafta, gasolina, querosene, óleos lubrificantes etc. É da nafta que são extraídas as substâncias que vão compor os plásticos:

  • propeno;
  • eteno;
  • butadieno;
  • benzeno;
  • xileno;
  • tolueno.

Os plásticos são polímeros — macromoléculas formadas por unidades estruturais menores — de baixa massa molecular (monômeros) —, polimerizadas. Essas longas cadeias moleculares são compostas por ligas de carbono e hidrogênio, mas, algumas vezes, também por nitrogênio, oxigênio, enxofre, flúor, cloro, fósforo ou silício.

Essas variações das cadeias são responsáveis por alterar as propriedades do plástico, relacionadas a estrutura, tamanho e interações moleculares. Podem ser duráveis, maleáveis, transparentes e ainda permitem que sejam classificados em duas categorias:

  • termofixos ou termorrígidos: plásticos não recicláveis, pois não se submetem ao processo de derretimento e moldagem. Apesar disso, podem ser pulverizados ou incinerados no processo de recuperação energética;
  • termoplásticos: largamente utilizados na indústria pela sua aplicabilidade, reuso e possibilidade de reciclagem, eles amolecem quando aquecidos e são moldáveis, assumindo a forma do molde ao se resfriarem.

Plásticos e as suas composições

As diferentes combinações de monômeros permitem a formação de tipos diferentes de material, que demonstraremos a seguir:

Polipropileno (PP)

O polipropileno, usado para produzir utilidades domésticas, mamadeiras, embalagens alimentícias — biscoitos, margarina etc. — materiais médicos e autopeças é formado pelo propeno, também conhecido como propileno.

Polietileno (PE)

Já o Polietileno, utilizado em embalagens alimentícias, sacos, filmes, brinquedos etc. é formado pelo eteno, também conhecido como etileno, um gás incolor de odor adocicado. 

ABS (Acrilonitrila butadieno estireno)

Plástico rígido, utilizado em carcaça de eletroeletrônicos, capacetes, brinquedos, instrumentos musicais (flauta doce e clarinete), entre outros, é produzido a partir da acrilonitrila, que advém do propeno, do estireno e do polibutadieno, produzido a partir do monômero butadieno.

PVC (policloreto de vinila)

Parte dos seus componentes advém do eteno, como o monômero cloreto de vinila (MCV), sendo adicionado de átomos de cloro. É utilizado para produzir frascos de água, equipamentos médicos e materiais utilizados na construção civil, como tubos, conexões, esquadrias e revestimentos.

EVA (Espuma Vinílica Acetinada)

Espuma plástica utilizada para trabalhos escolares, artesanato e solado de calçados, o EVA é formado do acetato de vinila, obtido a partir do monômero eteno.

Poliamida

Vulgarmente conhecida como nylon, é uma fibra têxtil sintética que pode apresentar-se como uma poliamida 6.6, formada pelo ácido adípico, originado do ciclohexano que advém do monômero benzeno, poliamida 6, formada pela caprolactama, que também advém do ciclohexano e do benzeno.

Poliuretano (PU)

Utilizado em adesivos de alto desempenho, preservativos, espumas usadas para isolamento térmico etc. é formado pelo tolueno diisocianato, que vêm do monômero tolueno, além do propeno e do benzeno.

PET (polietileno tereftalado)

Utilizado para produzir frascos de refrigerantes, produtos farmacêuticos, produtos de limpeza, mantas de impermeabilização e fibras têxteis. Parte dos seus componentes são originárias do eteno, como o etileno glicol, e do ácido tereftálico, substância advinda do monômero xileno.

Processo de transformação

A reação química que transforma os monômeros em polímeros é chamada de polimerização e ocorre nos reatores da indústria petroquímica. O material resultante do processo nessas indústrias é encaminhado para as extrusoras, que os estruturam em fibras, filamentos ou pellets. Os pequenos grânulos são empacotados e vendidos para a indústria de transformação.

Já nessa etapa, os pellets, de acordo com os objetivos de produção, relacionados ao formato a ser assumido, por exemplo, passam por outras máquinas, cujo processo descreveremos a seguir.

Injetoras

São máquinas que possuem um funil onde são despejados os grânulos. Já no interior do equipamento, uma rosca giratória com resistência aquece e funde o material, que ao se acumular é injetado no molde por um bico. Após o final desse processo, uma das placas do molde se abre liberando a peça pronta.

Máquinas de rotomoldagem

O plástico chega como pó para ser transformado nesse processo, que consiste em alocar o insumo diretamente no molde. Este é fechado e rotacionado em uma espécie de forno. O material, então, se aquece dentro do próprio molde, se funde, se espalha e, finalmente, assume a forma destinada.

Máquinas de sopro

O processo inicia-se como na extrusora, mas, ao passar pela matriz, o plástico toma a forma de uma mangueira chamada de parison. O molde, então, se fecha e o corta, antes que um bico de ar seja introduzido e soprando-o para que tome a forma do molde. Após resfriado, o molde se abre e libera a peça pronta.

Máquinas de termoformagem

Nesse processo, uma chapa plástica produzida por extrusão é alocada em uma moldura, que recebe vácuo pelo lado contrário ao do molde, assumindo, assim, o formato pretendido. Também pode ser feito com moldes machos e fêmeas que se encaixam para produzir o item.

Extrusoras

Nesse processo, o grânulo entra por um funil e cai sobre uma rosca — similar ao processo de injeção, com a diferença do equipamento não realizar movimentos de rotação. A peça é confeccionada em uma matriz e resfriada em um tanque com água.

Como visto, em todos os processos os materiais plásticos assumem a forma do molde presente na máquina correspondente, a cor dos pigmentos utilizados e são destinados à comercialização. No pós-consumo, somente os termoplásticos podem se submeter ao processo de reciclagem, que abrange as fases de coleta, triagem, moagem, lavagem e novamente para a extrusão, reiniciando, assim, o ciclo de vida do produto.

É de suma importância que a população tenha consciência de que a separação do plástico no pós-consumo influencia diretamente na qualidade do processo de reciclagem, já que a coloração, composição e formas de utilização do material a ser reprocessado interferem na mistura obtida na extrusora. 

Agora que você já sabe como ocorre a produção do plástico, que tal assinar a nossa newsletter e conhecer melhor outras fases e formas de aproveitar as funcionalidades desse material sem prejudicar o meio ambiente? Até a próxima!

Redes sociais:
Facebook
Facebook
Email
RSS
LINKEDIN